A alegria é reservada para os iluminados?

Esta pergunta um tanto provocativa me veio depois de ver uma série de fotos de crianças tiradas durante uma aula de iniciação musical.
Não houve um momento em que essas crianças não estivessem felizes, durante uma hora!

Falar de alegria hoje muitas vezes evoca uma imagem de uma pessoa delicadamente iluminada, desconectada da dura realidade da vida.
E nestes tempos, a atmosfera não é alegre…

No entanto, longe de sermos iluminados, tiramos força da partilha alegre durante nossas aulas de educação musical, do riso espontâneo das crianças provocado por simples contrastes musicais, tanto quanto de seus olhares de interioridade intensa quando ouvem um simples sino ou a ressonância de um címbalo…
Você não precisa ser um palhaço para fazer isso (embora isso possa ajudar!).

A alegria é uma parte essencial da vida, e a educação musical é um momento privilegiado para desencadeá-la e mantê-la.
Pois estamos sempre procurando aquele sentimento que nos leva um pouco além de nós mesmos por um momento.

Isto o torna um elemento determinante de motivação, mesmo que signifique fazer algum esforço para alcançá-lo, conhecendo o prazer (auto-satisfação?) que se seguirá.

Porque, finalmente, de que adianta compartilhar esses momentos de música se não é para ser mais feliz?

Christophe Lazerges – Grenoble – França.

Deixe uma resposta